sábado, 30 de maio de 2015

HINO

Imagem do Google



A tua luz que tontura
meu astro mais Rei que o Sol
estrela palpitante de brandura
metamorfose de dádiva sem mentira
doce brilho que agarra ao despertar
tua boca sabe a mar
quando tanges minha lira
comungando a Natureza

No teu ventre cravo a vida
no coração a certeza
nunca antes eu sentira
a turbulência de amar
pra' sempre quero ficar
no seio que eu abrira
rendido à tua beleza
ver contigo repartida
toda a divina pureza

E no teu sorriso felino
espelho dessa alma agreste
perpetuar como quem veste
o meu tão sonhado Hino.

domingo, 24 de maio de 2015

GLOSANDO ABRIL DE 1974

           
Imagem do Google


   Com o afastamento de Salazar, por incapacidade funcional, a partir de 3 de Agosto de 1968, o Presidente da República, Américo Tomás, chamou Marcelo Caetano para a presidência do Conselho de Ministros. Desta forma, renovam-se as expectativas de uma abertura democrática do regime, naquilo que poderia ter constituído, na prática, a Primavera Marcelista. O novo presidente do Conselho, porém, limitou-se a mudar o nome das coisas, para que tudo permanecesse na mesma.

  Mas, pior do que tudo isto, era a atitude titubeante e desastrosa de Marcelo em relação à continuidade indefinida da Guerra Colonial, cujo fim, portanto, só poderia acontecer através do derrube do regime então vigente.

   No dia 16 de Março de 1974, o exército tenta aquilo que ficaria conhecido como o Golpe das Caldas. Este não resultaria, mas o mote estava dado.

    Outros sinais de descontentamento, como o livro “Portugal e o Futuro”, da autoria do General Spínola, viriam a chamar a atenção do país para a situação de estagnação que se vivia, embora prodigalizasse soluções requentadas.

   Nesta conformidade, na madrugada de 25 de Abril de 1974, os militares saíram à rua, depois de terem ocupado os vários pontos estratégicos institucionais: Emissora Nacional, RTP, para além do Largo do Carmo, onde se situava o Quartel do mesmo nome, procurando desalojar daí, Marcelo Caetano.

      Vencidas as principais resistências do regime, no dia 25 de Abril de 1974, uma Junta de Salvação Nacional tomou conta do poder e procura definir, com o apoio do Movimento das Forças Armadas, as linhas mestras daquilo que seria o embrião da democracia num país de novo em liberdade.

    Embora nem tudo tivesse sido pacífico, importa agora referir apenas as mudanças fundamentais operadas: foram libertados os presos políticos; o Partido Comunista Português saiu da clandestinidade; o Partido Socialista, formado a 19 de Abril de 1973, em Bad Minstereifel, na República Federal Alemã, por Mário Soares, passaria a fazer parte do espectro político-partidário nacional, depois do seu líder ter regressado do exílio.

      Foi também extinta a Comissão de Censura, passando a verificar-se liberdade de expressão; foi instituído o direito à Greve; foi marcado para Janeiro de 1975, em Alvor, um encontro com os dirigentes dos três movimentos de libertação de Angola, para tratar da descolonização do território. As restantes colónias, com a exepção de Timor e de Macau, seriam também descoloniazadas, visando aceder à independência total. Foram marcadas as primeiras eleições livres e democráticas, para a Assembleia Constituinte, a realizar no dia 25 de Abril de 1975; as mulheres também participariam neste sufrágio universal. Em  2 de Abril de 1976 foi concluída a Constituição, tendo entrado em vigor em   25 de Abril de 1976.


  Com a eclosão do 25 de Abril de 1974 e a operacionalização de todas as mudanças verificadas, gerou-se um conjunto de expectativas bem típicas dos movimentos que procuram explicar e definir as realidades que pretendem modificar. Com o Movimento das Forças Armadas não foi diferente. Perspectivava-se um futuro risonho para Portugal, no âmbito do qual pudesse haver igualdade de oportunidades para todos, o acesso à escola livre e democrática, o respeito pelo trabalho justamente remunerado, e condições laborais equilibradas que seriam balizadas pelos Sindicatos e pelo Patronato, através de negociações legitimadas pela democracia. Para que tudo isto pudesse funcionar, deveria fomentar-se um sistema económico-financeiro sustentável e dinâmico; um sistema social, de saúde, de justiça e de educação que promovessem o desenvolvimento da coesão social e da democracia propriamente dita. Estas eram, em termos gerais, as perspectivas de futuro, muito embora nem tudo corresse de feição. Com a tentativa de imposição de uma espécie de poder totalitário, caso o Golpe de 25 de Novembro de 1975 tivesse triunfado, a revolução viria a trilhar novos caminhos, num quadro dinâmico de correlação de forças, determinado por este género de acidentes de percurso. 

terça-feira, 19 de maio de 2015

SOBRE O ABSURDO “ORTOGRÁFICO”



Imagem do Google






             Já muito se falou e escreveu sobre o mais recente acordo ortográfico. Sim, já se verificaram alguns outros, ao longo do século XX. Mas, sobre este, houve quem tivesse sublinhado, até, a mal fadada auto-estima de ser português; a abstrusa tendência de insistirmos na subserviente ideia de ceder perante os outros, sem justificação nem sentido aparentes. E concordamos, porque não tem razão de ser o esfarrapado argumento dos defensores do “acordo” (?!), quando invocam a convergência ortográfica... como se tal fosse possível! Como se a História, a Psicologia, a Sociologia, a Filosofia, a Antropologia, a Geografia, a Gramática ou a Linguística, integradas na cultura da habitual intersubjectividade contextual da existência, pudessem ser vergadas por uma decisão ridícula, servil ou ingénua, aprovada por uma mão cheia de políticos, não só incapazes de perceberem a origem, a estrutura, o significado, a importância e o alcance da Língua Portuguesa, mas também coniventes na tarefa contumaz de delapidação da dignidade da soberania nacional – “a minha Pátria é a Língua Portuguesa”, escreveu Fernando Pessoa.

            Conseguem imaginar a Inglaterra, a França ou a Espanha a estabelecerem acordos ortográficos com as ex-colónias?! Pois, é isso mesmo! Nós também não! É que a natureza das coisas é a natureza das coisas, e qualquer língua evolui na-tu-ral-men-te, não podendo nem devendo ser abruptamente amputada, descaracterizada ou falseada... por decreto.

      Sem mais delongas, convém agora referir que a parte da gramática que estuda a origem das palavras é a etimologia; e étymon (étimo) + lógos (estudo) são palavras gregas que significam respectivamente – verdadeiro, certo + conhecimento. Para quê, portanto, tanto empenho em falsear a Língua de Camões, torpedeando o seu real conhecimento e aplicação?!

       E que dizer, então, da tão esgrimida necessidade de convergência? Esta não passa de simples representação mágica, de resto, e por isso mesmo, absolutamente impossível, de quem continua a laborar em erro, pelas razões atrás apontadas. Mas há mais, e agora, por respeito para com os povos outrora colonizados, mil vezes miscigenados e aculturados, passamos a fundamentar o nosso ponto de vista, através de citações de dois autores brasileiros.

         Conforme refere o escritor e historiador Laurentino Gomes (2010, p. 51),
a ortografia adoptada no Brasil radica na institucionalização da asneira, já que, em 1822, ano da independência da colónia, “(...) De cada três brasileiros, dois eram escravos, negros forros, mulatos, índios ou mestiços. Os analfabetos somavam mais de 90% dos habitantes. Os ricos eram poucos e ignorantes (...)”. Segundo Ribeiro (1995), no início do século XX, a percentagem de analfabetos mantinha-se nos 90%.

         Mas o “melting pot” continuaria: entre 1886 e 1930, imigraram para o Brasil 1 milhão e 700 mil portugueses, 1 milhão e 600 mil italianos, 700 mil espanhóis, 250 mil alemães, 230 mil japoneses, para além de outros contingentes menores (Ribeiro, 1995, p. 241 e 242).

       Para que não restem dúvidas, atentemos uma vez mais na visão desassombrada do antropólogo brasileiro Darcy Ribeiro, que refere o português como uma língua que o brasileiro refez (Ribeiro, 1995: p. 220). E, na mesma obra, este incansável estudioso define os brasileiros como sendo: "uns latinos tardios de além-mar, amorenados na fusão com brancos e com pretos, deculturados das tradições de suas matrizes ancestrais, mas carregando sobrevivências delas que ajudam a nos contrastar tanto com os lusitanos" (Ribeiro, 1995: p. 130).

     Evidentemente que, quando se fala em "acordo ortográfico", seja lá o que isso for, só é possível que se esteja a configurar uma qualquer representação fragmentária e distorcida da realidade, em resultado de uma perturbação da relação com a mesma. Refira-se, a talho de foice, também o que se tem vindo a verificar com o português que Portugal deixou de reciclar – devido ao abandono (fuga) maciço dos habitantes não autóctones e ainda parte dos aborígenes, caucasianos ou não – no território de Angola, logo após a independência (11 de Novembro de 1975), na sequência da mudança de regime (25 de Abril de 1974); e em Moçambique; e na Guiné-Bissau; e em Timor; e em São Tomé e Príncipe; e em Cabo Verde... já para não falar de Macau ou de Goa, Damão e Diu. Claro, o fenómeno é idêntico: exerce-se, sem apelo nem agravo, uma dialéctica de influências, que naturalmente refaz o português, falado e escrito, forçando a gramatologia ao sabor do tempo e das culturas linguísticas locais. Quanta diversidade e divergência! Mas, é mesmo assim! Contra factos não há argumentos... nem decretos.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

ALIENAÇÃO


Imagem do Google



                             Seguem na busca da terra do sonho
                             depois de suposta a flor do poema
                             Homérica luz sem rumo nem sema
                             para lá do não-ser-vencido-tristonho

                             Não é coisa pouca o jargão medonho
                             que joga razões em nome do tema
                             lacera de pronto a turba sem lema
                             reificação do viver enfadonho

                            Todos correm atrás dessa tal luz
                            na suma das vidas jamais vividas
                            perdidas de si tecendo aparências

                            Chão sem sentido que a nada conduz
                            palco demente de falsas saídas
                            algema imoral de torpes urgências


                                            13/05/2015

quinta-feira, 7 de maio de 2015

O VIGOR DA MENTE

       
Imagem do Google


         O homem distingue-se de todos os outros animais, devido, precisamente, à  extraordinária capacidade da sua mente e à possibilidade de comunicar através da palavra, da linguagem falada. Esta, processa-se por intermédio da composição sintagmática (sintáctica), dirigida ao outro, isto é, ao interlocutor. Este tipo de fenómeno, que é sensibilidade emocional e pensamento, configura, na sua génese e essência, o desejo do outro e da resposta que ele possa ter para nos dar, seja para que efeito for, porque o homem é um ser social (Mauco, 1967, p. 157).

            A palavra é, nesta conformidade, o trunfo poderoso e inestimável que permite ao homem aceder, pelo vigor da sua própria mente, à consciência do seu papel, não só familiar e social, mas também planetário, uma vez interiorizado o seu código linguístico, antes e depois de ter percorrido as várias etapas de construção e aferição da sua personalidade. Esta, dotada de um superego saudavelmente formado, deve ser capaz de domar as suas pulsões animalescas, primitivas, meramente instintivas, aceitando a representação dos interditos da vida familiar e social (Doucet, 1972, p. 205).

            Não esqueçamos, porém, a fundamentalidade do sentimento de pertença de si e do grupo contextual, cuja continuidade e intencionalidade pautam o comportamento do indivíduo e a linguagem utilizada, se bem que no quadro da experiência consciente do pensamento secundário, logo, conversível e orientador (Georgieff, 1995, p. 20).

            Para que conste, tudo isto se passa no âmbito dos afectos que, quer se queira quer não, apresentam duas vertentes, conforme Adler: de atracção e de aversão; uma funciona sempre em prejuízo da outra, mas podem ambas, por motivos inversos, precipitar a discórdia e a agressão. No ano de 1930... e Hitler ali tão perto!, Freud, na sua obra “Cultura e Suas Desvantagens” referiu-se à agressividade como sendo “um impulso nato e autónomo do homem” (Doucet, 1972, p. 22 e 25).     

            Num estado de direito democrático, regido por leis, regras, normas, princípios e valores, como se afirma Portugal desde 1974, os deveres e os direitos são os mesmos para ambos os géneros em presença, para que possa haver paz, harmonia e desenvolvimento, mediados pelo diálogo, cujas representações se substituem à coisa nomeada; na sociedade e na família.

            Aqui, nesta, a envolvência que resulta da saudável convergência dos afectos, sempre através do diálogo franco e aberto que fomenta a interacção positiva dos casais, consegue manter acesa a chama que reforça o papel de cada um dos cônjuges, na persecução do projecto de transmissão da vida... aos filhos que se desejam; seria o ideal (Santos, 2008).

            Tudo isto é possível, graças à incrível e imparável actividade do pensamento. Este, ligado aos afectos, e conforme o registo neural linguístico de cada pessoa integrante do núcleo conjugal, procede desde o berço uterino, também sob a influência do inconsciente colectivo transgeracional, melhor ou pior, para, no seio de cada família, caminhar no sentido da aceitação dos indivíduos que constituem determinado agregado familiar; do respeito que todos devem a cada um, e cada um a todos, porque existe, afinal, da parte dos pais, efectiva maturidade afectiva e reciprocidade na aceitação do papel sexual activo inerente aos respectivos membros do casal.

            Se, pelo contrário, as coisas correm mal na relação dos progenitores, multiplicam-se as tensões internas, a ansiedade, e a criança ressentir-se-á nos planos afectivo, intelectual e físico. Verificar-se-ão reacções abúlicas, tranferência afectiva sobre outras pessoas, culpabilidade, angústia, insegurança, incerteza, agressividade, quebra do rendimento escolar, alheamento, paralisia, enuresia, anorexia, tiques, fixações regressivas, perturbações psicossomáticas várias, etc., etc. (Mauco, 1967, p. 96 e 97).

            Aqui chegados, resta-nos apenas concluir o presente escrito dentro do espírito de toda a temática versada, com uma última e deveras curiosa alusão ao significado metafórico da linguagem, do ponto de vista ainda da dimensão da narração dirigida ao outro e da essencialidade salutar dos afectos com sentido. E passamos a citar, “ipsis verbis”, para que nada se perca: “Wilfred R. Bion sublinha o facto de a constituição e o funcionamento do aparelho psíquico dependerem da relação precoce com o outro – a mãe. Será o aparelho psíquico materno, construindo uma “narração” dirigida ao pai, que permitirá a transformação das primeiras produções psíquicas do bebé em “pensamentos”. A interiorização segunda do aparelho materno de “pensar os pensamentos” permite, em seguida, a constituição do psiquismo” (Georgieff, 1995, p. 49). Notável!


Em 04 de Maio de 2015